História da Karapaça

Kágados






















A República dos Kágados é a mais antiga de Coimbra, tendo nascido por obra e graça de estudantes nortenhos, na sua maioria oriundos do Minho, em 1 de Dezembro de 1933. Foi nesta república e, por sua iniciativa, que em 11 de Dezembro de 1948 as seis repúblicas então existentes reuniram o primeiro Conselho de Repúblicas. Os Kágados assumiriam ainda um papel de relevo na resistência ao antigo regime, tendo mesmo acolhido cidadãos perseguidos pela polícia política. Ao longo de 68 anos de existência aqui viveram os músicos José Mário Branco e Zeca Afonso, o eurodeputado, Luís Filipe Madeira, o poeta brasileiro Vinícios de Morais e o médico Pedro Choi.

Actualmente, a admissão de novos repúblicos está dependente da adaptação dos candidatos à vida nesta comunidade. Para além dos repúblicos, frequentam a casa os comensais, com quem são partilhadas as refeições, bem como os amigos, estando sempre a porta aberta a quem procure um bom momento de convívio.

Foi fundada por :
Álvaro Ferreira,
Aníbal Ferreira,
Anónio Gonçalves,
Guilherme Andrade,
José Mota Marques,
Júlio Leite,
Osvaldo Matos
e Renato Matos.

Muitos outros estudantes passaram pela República, nestas sete décadas.Alguns: Laurentino da Silva Araújo,António Homem de Pinho,Abílio Dias Moreira,Manuel da Fonseca, Orlando Alves Pereira de Carvalho,Lusitano Santos,Manuel Carvalho dos Santos,Carlos Santarém de Andrade, José Mário Branco,Luis Filipe Madeira.

A divisa da República é: " beber,comer,dormir, e estudar nas hora vagas ".

Quanto ao " brinde " o grito da Repúblia é: K...á...K...á,K..é...,Ké...K...,i...Ki,K...ó..Kó,K...u...Ku - Ká...ga...dos,Ka...ga.,..dos,Ká..ga...dos,Ká...ga...dos,Aguentôga..do!!!

Foi nesta república que as seis "Repúblicas " existentes na época assinaram o "Pacto de Amizade e Aliança " a 1 de Dezembro de 1948.

Os "Kágados" assinaram também os estatutos do Conselho das Repúblicas.


Teve como servente durante trinta e quatro anos a " Lili "talvez a melhor amiga de todos quantos por ela foram servidos. Quando aos 75 anos,deixou de poder trabalhar,instituiu-se a Fundação Lili, para lhe pagar a sua" reforma ". Foi depois hospitalizada e quando faleceu teve honras académicas e acompanhamento de muitas gerações dos "seus Meninos "e os membros das outras Repúblicas e da Academia em geral.

Até 2011, repúblicos, comensais e convidados tiveram o privilégio de serem aviados pelas receitas inconfundiveis da nossa Celeste, que já manteve por mais 10 anos Karapaça impecável!

Hoje em dia, são os próprios Kágados a confeccionar os seus próprios manjares e, caso a tua curiosidade sobre o nosso talento culinário seja aguçada, estás convidado/a a aparecer na nossa Karapaça para uma boa refeição, um copo de vinho e uma boa conversa!